Minuto B - Especial - Coronavírus: uma luta global contra o invisível! - Balaio da Criação

Por João Kzam

João Kzam, #osenhordabusca, facilitador, palestrante, comunicador, jornalista digital, conteudista, content maker, podcast maker da Balaio da Criação e uma das vozes do Minuto B do PodAí da Balaio.

Publicado em 2 de abril de 2020 | Atualizado em 2 de abril de 2020


Coronavírus: uma luta global contra o invisível. Saudações a todos que nos leem e ouvem, somos da equipe da Balaio da Criação, responsável pela produção dos Podcasts Podaí e Minuto B, que se destinam a orientar e passar conhecimento e conceitos como uma forma lúdica de aprendizagem para o nosso

Coronavírus: uma luta global contra o invisível.

Saudações a todos que nos leem e ouvem, somos da equipe da Balaio da Criação, responsável pela produção dos Podcasts Podaí e Minuto B, que se destinam a orientar e passar conhecimento e conceitos como uma forma lúdica de aprendizagem para o nosso público leitor e ouvinte.

As informações aqui são baseadas em material fartamente produzido e disponibilizado pelo Ministério da Saúde e também publicado pela Organização Mundial de Saúde. Nosso trabalho é de transmitir essas informações como uma prestação de serviço público neste momento de aflição pelo qual passamos, portanto ouçam com atenção e mantenham-se cada vez mais informados. Nós da Balaio da Criação estamos aqui pra isso.

O que são os coronavírus?

De acordo com o Ministério da Saúde, o coronavírus é uma família viral capaz de infectar seres humanos e animais. Até então, 6 tipos de vírus dessa família eram conhecidos por afetar humanos, mas agora, com os recentes casos de pneumonia inicialmente detectados em Wuhan, na China, são 7 os tipos conhecidos.

Quais são os tipos de coronavírus?

Minuto B Coronavírus tipos

Atualmente, são identificados 7 tipos principais de Coronavírus, sendo:

  • 4 mais comuns (alpha coronavírus 229E e NL63; beta coronavírus OC43 e HKU1) os responsáveis por quadros mais brandos de infecção respiratória.
  • Outros 2 tipos, o SARS-CoV, causador da síndrome conhecida como SARS (“Severe Acute Respiratory Syndrome”) e o MERS (“Middle East Respiratory Syndrome”) foram associados a quadros mais graves de infecção respiratória. O SARS-CoV causou um surto que teve início em 2002 na China e se espalhou por mais de 12 países, incluindo Américas do Norte e do Sul, Europa e Ásia, infectando mais de 8.000 pessoas e causando cerca de 800 mortes. Desde 2004 não existe relato de novos casos de SARS-CoV. O MERS foi primeiramente isolado em 2012, na Arábia Saudita, passando a outros países do Oriente Médio, Europa e África.
  • E o atual que está causando toda essa pandemia. Em dezembro de 2019 foram relatados casos de pneumonia grave na província de Wuhan, na China, até então sem a identificação do agente causador, o qual foi identificado em 7 de janeiro de 2020, denominado 2019-nCoV e depois modificado para COVID-19.

Como é a transmissão do coronavírus?

A transmissão dos subtipos do Coronavírus pode se dar por 3 formas:

  • Por vias respiratórias, através do ar e de gotículas provenientes de espirros, tosse ou da fala de indivíduos infectados;
  • Por contato físico, como: beijos, abraços e apertos de mão; e
  • Por meio do contato de superfícies contaminadas, como corrimões, maçanetas, etc.

Calcula-se que para que haja a transmissão do vírus, as pessoas têm que estar a cerca de 2 metros de alguém contaminado, em ambientes fechados.

Qual o período de incubação do coronavírus?

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o tempo entre a infecção pelo Coronavírus e o início dos sintomas da doença varia de 2 a 14 dias. O período de incubação é o mesmo para todos os subtipos do vírus, inclusive do COVID-19. Ainda está em estudo a possibilidade de transmissão da doença antes do aparecimento de sintomas.

Quais os sintomas específicos de doenças causadas pelo Coronavírus?

Minuto B Coronavírus Sintomas

Os principais sintomas são:

  • Tosse seca;
  • Febre; e
  • Cansaço;

Mas alguns pacientes podem sentir:

  • Dores no corpo;
  • Dificuldade respiratória e falta de ar;
  • Congestão nasal;
  • Inflamação na garganta;
  • Diarreia; e
  • Redução do olfato e paladar.

Já nas síndromes respiratórias mais graves, as complicações podem evoluir para fases agudas como:

  • Insuficiência renal; e até mesmo
  • Levar à morte.

Qual o tratamento do coronavírus?

Segundo o Ministério da Saúde, ainda não existe tratamento específico ou vacina contra o COVID-19. O tratamento indicado para pacientes infectados é apenas para alívio dos sintomas, como repouso e ingestão de bastante água, além de medicamentos analgésicos para dor e febre sob prescrição médica. Entretanto, existe uma corrida da comunidade científica e empresas de alta tecnologia que prometem o desenvolvimento de vacinas em tempo recorde, inclusive no uso de Inteligência Artificial para a descoberta da cura.

Quais as Medidas de Prevenção?

Para se prevenir de doenças causadas por coronavírus COVID-19 e também outras viroses respiratórias as principais medidas preventivas são:

  • Evite contato próximo com pessoas que apresentam infecções respiratórias ou que tiveram convívio com pessoas comprovadamente infectadas;
  • Lave bem as mãos com água e sabão (apenas com água não basta) e/ou utilize álcool gel;
  • Utilize lenços descartáveis sempre que precisar assoar o nariz;
  • Evite tocar as mucosas dos olhos, nariz e boca, mesmo com as mãos higienizadas;
  • Evite compartilhamento de objetos de uso pessoal, como copos, talheres e toalhas;
  • Evite aglomerações e multidões em ambientes fechados;
  • Em casa, limpe regularmente os ambientes e mantenha-os ventilados;
  • Cozinhe bem os alimentos, principalmente ovos e carnes; e
  • Só ingira água e líquidos filtrados ou fervidos.

O uso de máscaras ajuda na prevenção do coronavírus?

O uso de máscaras respiratórias, luvas e gorros, não têm indicação em pessoas saudáveis. Estes equipamentos de proteção individual devem ser reservados apenas para aqueles casos definidos como suspeitos, pois são utilizados para prevenir a transmissão de pessoas infectadas para outras e, principalmente, é utilizado pelos profissionais de saúde.

Existe motivo para pânico em relação à infecção pelo COVID-19?

Até o momento, pelos dados divulgados pela OMS, o que se sabe é que se trata de uma infecção viral respiratória que causa, na grande maioria dos casos, sintomas respiratórios que variam de leves a moderados, semelhantes aos sintomas da gripe comum; não havendo, portanto, motivo para pânico. Os grupos de pessoas que podem estar em maior risco e que devem ter maior atenção com as medidas de proteção incluem as pessoas com algum grau de deficiência no seu sistema imunológico, que regula as suas defesas, incluindo idosos (> 65 anos), portadores de doenças crônicas (diabetes, hipertensão arterial, AIDS, câncer, etc). Apesar de não haver muitos relatos de infecções em crianças (< 2 anos), elas também devem ser consideradas como grupo de risco, e o mesmo pode ser aplicado para gestantes. É preciso frisar que é uma doença nova e que ainda estamos aprendendo com ela em curso.

Mais alguma orientação sobre como prevenir o contágio?

As orientações de prevenção são aquelas comuns para as demais doenças e infecções. De modo geral:

  • Evitar aglomerações;
  • Cobrir a boca e o nariz ao espirrar;
  • Não compartilhar objetos pessoais;
  • Higienizar bem as mãos são indispensáveis;
  • Ventilar bem os locais; e
  • Não coçar mucosas ou colocar as mãos na boca são medidas válidas também.

Caso haja suspeito de contaminação ou contato com alguém doente, é importante manter a atenção e procurar uma unidade de saúde para que as medidas necessárias sejam adotadas.

Como a tecnologia está ajudando o combate ao coronavírus e chegar à cura?

O esforço mundial de pesquisas nessa área já tinha gerado, em meados de março, cerca de 2 mil papers científicos. Se adicionarmos à pesquisa, os papers referentes à família coronavírus, chega-se a quase 30 mil papers. A velocidade das pesquisas cria um problema: como garimpar informações neste oceano de artigos que possam ajudar e complementar outras pesquisas? É onde algoritmos de IA entram em ação, para analisar e cruzar informações, ajudando a identificar novos possíveis tratamentos e a entender melhor a dinâmica de comportamento de disseminação do vírus.

Quais empresas estão utilizando tecnologia para ajudar na cura ao coronavírus?

Várias empresas de descoberta de drogas estão colocando suas tecnologias de IA para trabalhar na previsão de quais medicamentos existentes ou moléculas semelhantes a novas, poderia tratar o vírus.

O desenvolvimento de medicamentos normalmente leva pelo menos uma década para passar da ideia para o mercado, com taxas de falha de mais de 90% e um preço entre US $ 2 e US $ 3 bilhões.

Podemos acelerar substancialmente esse processo usando IA e torná-lo muito mais barato, mais rápido e com maior probabilidade de sucesso

Disse Alex Zhavoronkov, CEO da Insilico Medicine, uma empresa de IA focada na descoberta de medicamentos.

Aqui está uma relação de cinco empresas centradas na IA que têm como alvo o coronavírus:

  • Deargen: Desde o início de fevereiro, os cientistas da Deargen, com sede na Coréia do Sul, já estão trabalhando. Se utiliza de um processo de desenvolvimento de novos medicamentos baseado em IA através da operação de uma rede cooperativa com especialistas em desenvolvimento de novos medicamentos.
  • Insilico Medicine: sediada em Hong Kong, também entrou em campo no início de fevereiro. Desenvolve um mecanismo abrangente de descoberta de medicamentos, que utiliza milhões de amostras e vários tipos de dados para descobrir assinaturas de doenças e identificar os alvos mais promissores para bilhões de moléculas que já existem ou podem ser geradas de novo com o conjunto de parâmetros desejado.
  • SRI Biociências  e a Iktos: a primeira com sede em Menlo Park, começou seus trabalhos em 4 de março. Os pesquisadores estão utilizando a tecnologia de IA de modelagem generativa da Iktos com a plataforma de química sintética SynFini (sinfini) da SRI para descobrir novos compostos contra vários vírus, incluindo o coronavírus (COVID-19)
  • Benevolente AI: com sede em Londres, está desenvolvendo e aplicando inteligência artificial para inovação científica. A Benevolent Platform da empresa é uma plataforma de descoberta de medicamentos experimental e computacional, que permite aos cientistas descobrir novas maneiras de tratar doenças e personalizar medicamentos para pacientes.
    Todas as empresas envolvidas, além dessas aqui mencionadas, estão utilizando a Inteligência artificial para fazer buscas de textos de pesquisas sobre o coronavírus, em todos os bancos de dados de saúde globais, inclusive monitorando redes sociais na busca de focos da doença e poder acionar mecanismos de combate e monitoramento da população afetada.

Continuaremos a distribuir nos nossos canais mais informações sobre este acontecimento global que está nos impondo refazer nossos conceitos e quebrar paradigmas nos nossos relacionamentos e sobre o que pretendemos nos dispor a fazer pelo próximo à partir de agora.

Sugerimos que acompanhem os dados por que todas as informações aqui podem ser alteradas de alguma forma em algum lugar depois de alguma observação.

Esse foi o nosso Minuto B especial sobre o coronavírus, da Balaio… da Balaio da criação.

Fontes: Ministério da SaúdeOrganização Mundial de Saúde

Print Friendly, PDF & Email

Posts relacionados